CONTEXTO

O Zoneamento Ecológico Econômico do Paraná (ZEE) apresenta diretrizes gerais para duas zonas que envolvem o Litoral do Paraná: a Zona Planície Costeira e a Zona Serra do Mar. De acordo com o Zoneamento Ecológico Econômico, a zona se “caracteriza por apresentar fragilidade geoambiental elevada em função de se constituir por relevo plano, com materiais arenosos e orgânicos inconsolidados e instáveis, lençol freático raso e possibilidade de colapsos em fundações e edificações”. A zona é também muito suscetível às inundações e alagamentos. Predominam, com poucas exceções, solos inaptos para o uso intensivo com atividade agrícola, pecuária ou florestal.

A região litorânea apresenta como principal potencialidade atividades portuárias e industriais, vinculadas à exploração do petróleo do pré-sal; atividades agroflorestais com base agroecológica, atividades de proteção à geobiodiversidade e atividades para o desenvolvimento da aquicultura e pesca, além do processamento do pescado e atividades turísticas. As diretrizes do ZEE apontam que a preservação da biodiversidade reflete na qualidade ambiental, que, por sua vez, possibilita atividades turísticas de mínimo impacto negativo como uma das principais alternativas de trabalho e renda.

A região do litoral paranaense apresenta-se como uma das regiões mais bem preservadas da costa brasileira e é marcada pela existência de duas baías, a extensa Baía de Paranaguá e a Baía de Guaratuba, por planícies litorâneas com florestas relativamente bem preservadas e pela imponente presença da Serra do Mar.

 

Junto com a Serra do Mar, o complexo Estuarino Lagunar Paranaguá-Cananéia-Iguape foi tombado pela Unesco em 1995, como Patrimônio da Humanidade, pois abriga os últimos remanescentes da Floresta Tropical Pluvial Atlântica do Brasil.

Por isso, a preocupação com a conservação da região litorânea paranaense levou à criação de diversas Unidades de Conservação, que atualmente cobrem mais de 80% da área do litoral.

O Litoral do Paraná é composto por sete municípios – Guaratuba, Matinhos, Pontal do Paraná, Paranaguá, Morretes, Antonina e Guaraqueçaba –, que, no seu conjunto, representam aproximadamente 3% do território paranaense. A população total é de 265.362 habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 2010, sendo mais da metade habitantes do município de Paranaguá.

O estabelecimento do atual cenário de ocupação do território se deu por meio do crescimento populacional em duas vertentes convergentes, a primeira devido aos imigrantes em busca de oportunidades de emprego na cidade portuária de Paranaguá e nas atividades relacionadas ao turismo nos municípios praianos. A segunda vertente diz respeito à aquisição de residências de veraneio, sobretudo na faixa de ocupação contínua acima mencionada, que se estende desde Pontal do Sul, no norte do município de Pontal do Paraná, até a divisa com o Estado de Santa Catarina, ao sul.

O Porto de Paranaguá é o maior exportador de produtos agrícolas do Brasil, além de movimentar fertilizantes, contêineres, líquidos, automóveis, madeira, papel e açúcar, entre outros. A atividade portuária se estende, embora em menor escala, à cidade de Antonina.

A proximidade com a capital paranaense, Curitiba, e as boas condições de acessibilidade, aliadas à existência de um conjunto diversificado de atrativos turísticos, fazem com que o turismo seja uma atividade econômica importante em todos os municípios do Litoral.